É POSSÍVEL ADVOGAR E CRESCER EM UM COWORKING JURÍDICO?

Updated: Jul 14



Quando comecei a advogar, era impensável não ter um escritório próprio. Para ser levado a sério, você precisava alugar uma sala, colocar uma bela estante de livros (de preferência com uma coleção de códigos e, se possível, a coleção do Pontes de Miranda) e uma mesa de reunião.


Isso foi há algum tempo, em 2007. Desde então, muita coisa mudou. Os processos começaram a ser digitalizados, os celulares ganharam aplicativos de mensagens instantâneas, e começaram a surgir espaços de coworking voltados para várias profissões.


Hoje, o trabalho em coworking é uma realidade. Mas será que é possível advogar num espaço desses? E mais ainda, será que é possível crescer e ser bem sucedido? Vamos falar sobre isso hoje.


1) O QUE É COWORKING


Talvez eu tenha começado de um ponto mais à frente. Vamos voltar alguns passos, então, e definir o que é coworking.


Coworking nada mais é do que um espaço pronto, com toda a infraestrutura necessária, que pode ser alugado por horas, dias ou meses.


Temos duas principais ideias que o fundamentam. A primeira é a economia financeira, já que é possível ter um espaço muito bonito e profissional, com toda a infraestrutura de atendimento, por um custo muito menor do que se teria arcando sozinho.


A segunda, e muito mais relevante no meu ponto de vista, é a economia de tempo. Montar e gerir um escritório demanda uma quantidade absurda de tempo. E falo com propriedade, porque já fiz isso algumas vezes.


Não se trata apenas de alugar uma sala, e sim, de contratar todos os serviços, se preocupar com limpeza e manutenção, resolver problemas com seu provedor de internet, condomínio, funcionários...não é por acaso que um dos primeiros passos que escritórios tomam ao crescer é contratar uma pessoa para administrá-lo.


Mas qual é a diferença entre um coworking tradicional e um coworking jurídico?


2) COWORKING TRADICIONAL x COWORKING JURÍDICO


Sim, existem diferenças!


Em um Coworking tradicional, temos um estrutura bastante informal, que pode ser um pouco confusa para o cliente jurídico.


Veja bem, eu não sou a favor de formalismos e raramente uso terno, mas mesmo assim a informalidade de um Coworking tradicional costuma ser um pouco exagerada para mim. É comum ter pouca privacidade, áreas reservadas para lazer e uma decoração mais voltada para a área de tecnologia.


Já um Coworking jurídico aceita apenas advogados e advogadas, e é totalmente pensada para as nossas necessidades. Desde a decoração e atendimento da recepção até a privacidade necessária para conversarmos com os nossos clientes, tudo é pensado para atender às necessidades específicas do meio jurídico.


Além disso, por estarmos trabalhando constantemente ao lado de pessoas da nossa área, temos uma maior possibilidade de tirar dúvidas e formar parcerias duradouras.